Home
Ibirá
A praça
A água
Balneário
Classificados
Fale conosco
Fontes
Festas na região
Governo
Hotéis
História de Termas
Humor
Jornais
Localização
Opinião
Pensamentos
Revistas
Telefones úteis
Termas de Ibirá

Serviços

Banespa
Busca
Cartões
Cultura
Cidades da região
Holístico
Sites
Últimas notícias

 

 

 

Ibirá

Termas

Fontes

Localização

Pense em um local calmo e pitoresco.
Coloque aí uma pracinha do interior, sem gente apressada,
sem buzina, sem ruído de moto e sem alto falante tocando rock.
Na paisagem, nenhum turista com máquina a tiracolo e camiseta com mensagem em inglês.
Nenhum carro na calçada - ninguém exibindo riqueza.
Também não estaria deserta - rapazes,  moças e idosos conversando.

A praça da Prefeitura Municipal, o verde está em toda parte...

As águas de Termas de Ibirá são mundialmente famosas  
por conter elementos raríssimos, decisivos na cura de 
diversas moléstias, essencialmente as de pele e reumatismo.
 Ótimo local para eliminar o estresse, a síndrome do pânico e  
recompor as energias.
É servida pela moderna Rodovia Washington Luiz, (duas pistas de São Paulo até a entrada, mais 8 km. de estrada vicinal asfaltada.)

Entre as cidades de Catanduva e São José do Rio Preto

Sua história

Termas de Ibirá

          Perto de Ibirá, pequena cidade no noroeste paulista, no centro de uma grande bacia e ao lado da rodovia W.Luis (entre São José do Rio Preto e Catanduva), emerge as águas das fontes hidromedicinais, ali existentes. Outrora esta bacia fora ocupada por densa floresta de jabuticabeiras, do qual ainda encontramos esporadicamente algum exemplar ressequido pela natureza que substituiu a floresta primitiva.

          Durante muito tempo estas fontes permaneceram no mais completo abandono e inteiramente desconhecidas dos próprios Habitantes de Ibirá. Entrementes, em época remota, pouco acima das emergências, na cabeceira do rio Pouso Alegre, viveu uma tribo de índios, que provavelmente se estabelecera ali pela elevada abundância de caças que eram atraídas por essas águas medicinais, e ainda pelo conforto que lhe prodigalizaria a floresta de jabuticabeiras.

          Segundo contam os antigos, no tempo em que existia a mata virgem era grande a afluência de toda casta de animais, que no instinto próprio pela conservação da vida, procuravam certamente aquelas águas de preferência às outras para abeberarem, ou iam a busca do sal carbonatado que branquejava nas imediações das nascentes, como resíduo da evaporação dos filetes da água mineral, que afloravam cor capilaridade , fenômeno este que se podia observar em suas adjacências; era tão grande em certa hora da manhã ou da tarde, segundo ainda nos informaram, a afluência de pássaros, principalmente dos verdes de bico redondo (tuins, periquitos, papagaios, etc.), que, devido ao barulho do passaredo , era difícil duas pessoas se entenderem, quando guindadas na espera de pau-a-pique espreitavam as vitimas despercebidas.

          Ao se proceder a captação das nascentes, no decorrer de grande escavação em que se removeram centenas de metros cúbicos de terra, foram encontrados troncos de arvores, detritos vegetais, esqueleto completo de anta, caveira de macaco e de queixada, ossos diversos de veado e de outros animais soterrados a profundidade de cinco a sete metros, e no meio deste acervo velhíssimo, algumas pontas de lança feitas pelos selvícolas, formando tudo um cabedal interessante, com a qual se poderia, em visão retrospectiva, reconstituir as cenas movimentadas que se desenrolaram, em época distante, no recesso sombrio daquelas longínquas paragens de nossa selva.

          Pelas sondagens feitas nas imediações das emergências pode-se fazer idéia da conformação primitiva do terreno, e chegar-se à conclusão de que ali existira erosão profunda, que encaixava a água mineral e com o correr do tempo, foi sendo obstruída pelos enxurros, em conseqüência da destruição da mata ali existente, sepultando-se , assim, os destroços da luta pela vida, que lá travará o aborígine com a alimária.

          Quando conhecemos a fonte em seu nascedouro primitivo, a água emergia tumultuosamente, pondo em continuo movimento a areia que se antepunha à saída, apresentando-se como um grande atoleiro; quando uma pessoa entrava no “poço”, afundava até certa altura; entrava outra e assim sucessivamente três, quatro, até oito mais indivíduos nele iam se acomodando perfeitamente, alargando-se a sua capacidade de aparente exigüidade, para, num carinhoso amplexo, a todos acolher em sua água benfazeja, retornando, depois da saída dos banhistas, a sua dimensão anterior.

          Era tal a pressão exercida de baixo para cima, que, por mais que se quisesse afundar, ou melhor, atolar, não se conseguia submergir acima das axilas, e se o tentasse fazer, seria repelido a tona, logo que cessasse a força compressora.

          Se fossemos estudar a historia dos mananciais das Termas Vanádicas de Ibirá, iríamos não encontrar os fatos da grande tradição romana, fenícia, caldáica ou egípcia como as caravanas que penetraram o coração montanhoso da Europa antiga, à procura desses olhos de água miraculosos, da terra, numa promessa de curas miríades.

          Não! Mas, a necessidade orgânica da Vida presidiu aqui, o mesmo fenômeno quase antípoda,, que proporcionou, noutras plagas, o desenvolvimento de inúmeros e importantes centros de civilização e progresso...

          Lá, faraós, sacerdotes, pitonisas, doutores, sábios, heróis e homens fanatizados escutaram a natureza e abriram passadas para os pioneiros desses Balneários. Aqui foram, primitivamente, os “Totens” das grandes tribos indígenas que vagavam por esses recantos que descobriram o valor terapêutico das nossas águas medicinais.

          Os índios vieram na pega de antas e capivaras, de veados e catetos, de quanta casta e abundancia de animais  que se concentrava nesta paragem, como que a chamado de uma deidade restauradora da força, do vigor e da perspicácia instintiva da formosa alimária.

          E os índios aprenderam que aquela atração misteriosa que a besta-fera sentia pelo local, nada mais era, senão , proveniente das curas que os animais encontravam para as suas mazelas, num redemoinho barrento, acidental, justamente onde hoje se localiza  o Parque Balneário Termas de Ibirá.

           Hoje, através de estudos realizados, a arqueologia nos confirma essas historias e ainda acrescenta como ponto de destaque na geologia regional e a presença de fosseis representativos da mega fauna do período mesozóico.

          E essas historias verdadeiras formam hoje o doce romance da geografia sentimental das Termas de Ibirá; são capítulos desta mística feita de tradição e ciência.     

          No final de seu reinado, D. Pedro II doou extensa gleba de terra entre a Vila Elisiário e a Fazenda Macacos ao súdito português Antônio Bernardino de Seixas residente em Casa Branca.

          Eram 150 mil alqueires aproximadamente, situados no município de São José do Rio Preto.
            Em 1878-1880, José e João Bernardino de Seixas, organizaram uma expedição organizadora a qual se juntaram alguns aventureiros e grupos de escravos, iniciando caminhada em demanda a terras inexploradas.

          Chegaram em meados de 1880 , estabelecendo-se  inicialmente ao Córrego das Bicas, ponto inicial de colonização, local que corresponde ao atual Distrito das Termas de Ibirá.

Devido a presença hostil dos índios existentes no local; que supostamente tinham conhecimento dos valores terapêuticos e medicinais de nossas águas, fazendo o uso delas através de banhos naturais e também da lama medicinal existente na época e a insalubridade do lugar; naquele tempo batido por febres palustres, fatores estes que fizeram com que os exploradores se transferissem à 6 Km adiante sob a proteção de São Sebastião, hoje atual sede do município, no ano de 1881.

Por muito tempo foi conhecida como Cachoeira dos Bernardinos, Freguesia de Cachoeira foi denominação inicial, posteriormente Freguesia de Ibirá, e finalmente foi criado o Distrito de Paz, pertencente ao município de São José do Rio Preto. Em 13 de maio de 1913, foi elevado a categoria de Distrito Policial.

Com o desenvolvimento do “Distrito” conseguiu sua elevação para categoria de município em 12 de dezembro de 1921, pela Lei n.º 1817, sendo solenemente instalado em 22 de março de 1922.

Pela Lei n.º 41 de 18 de outubro de 1922, o município Ibirá, passou a ser subordinado à Comarca de Catanduva.

          Passou a ser considerado Estância Hidromineral, pelo Decreto Lei  nº13157 de 30 de dezembro de 1942, baixando pelo então interventor Federal Dr. Fernando Costa, autorizado a Fazenda do Estado  a adquirir uma área de 21 alqueires no município de Ibirá, no lugar denominado “Fonte Águas Minerais de Ibirá”.

         Através da Lei complementar n.º 01 de 22 de agosto de 1.990, então Bairro das Termas de Ibirá, foi elevado para a categoria de DISTRITO DAS TERMAS DE IBIRÁ.

Solo sagrado - Capital da saúde